terça-feira, 21 de abril de 2009

A COR de minha DOR



De que adianta eu ficar aqui ressentida,
Se nunca tive a primazia do teu coração,
Se continuo só, faminta, entristecida,
Se você só faz aumentar minha solidão...

De que adianta em você eu ficar pensando,
Se na hora que mais precisei, não o encontrei,
Porque você sempre de mim distante esteve,
E se um dia o esperei, me desapontei ...

Do que adianta amar você, esquecida de mim,
Se juntos NADA NUNCA podemos construir,
Se não podemos ter sonhos e planos afins,
E se isto um dia eu desejei, só me ferir...

Para nós NUNCA haverá confraternizações e natais,
Reuniões em família, dia das mães ou dos pais,
Viagens com filhos e outras coisas triviais
Nunca faremos o que fazem todos os casais...

Os casais desfrutam de santa afinidade,
Acertam diferenças em seus leitos conjugais,
Partilham a rotina e uma calma intimidade,
Nascida da convivência e da familiaridade...

Eu já te quis tanto ...

Que joguei TUDO pelos ares.
Menos ser a outra...
Nem ser ser a tua namorada eventual
Você quis...

Não tenho culpa se um dia meu coração escolheu você!

O meu coração sem juízo e irresponsável
E te escolheu de forma tão contundente.
Não ouviu os meus apelos, não quis me obedecer...

Existe uma certa revolta em meu peito.
No entanto,de vez enquando nasce uma flor
Se o lado humano chora e morre aos poucos combalido,
A Alma renasce e flui em mais luminosa expressão...

Mas sabe, este meu amor não foi em vão
Os frutos de nós dois não foram nossos lindos baixinhos
Os frutos de nós dois são apenas estes modestos poemas
Que aprendi a escrever pra te entregar meu coração...

E se um dia me perguntarem porque eles nasceram
Terei que falar do "mentor"que foi minha riqueza
E que concebi todos estes singelos versos
Exalando à D&G, daquele pijama azul celeste marcado com um anjinho azul. que um dia te presentiei...

(elianecosta-21.04.2009)

quinta-feira, 9 de abril de 2009